Os hormônios mais importantes para engravidar

Analisar e conhecer quais são os hormônios relacionados com a gravidez permite estudar a fertilidade da mulher e detectar eventuais problemas. Encarregados pelo equilíbrio do ciclo da ovulação, alguns desses hormônios também são fundamentais durante a gravidez.

Qual é o papel dos hormônios para conseguir engravidar?

Os hormônios femininos são muitos variados, afetam o estado de ânimo das mulheres, a libido e inclusive a relação com o parceiro. Na fertilidade eles são fundamentais para a metabolização e análise de substâncias para o controle e otimização da energia, são importantes também para o crescimento e funcionalidade de múltiplos órgãos, entre eles os sexuais, que são encarregados de segregar diferentes hormônios que interferem na reprodução.

Os hormônios da gravidez natural relacionados com o ciclo menstrual

O crescimento e liberação do óvulo da mulher está ligado a diferentes hormônios que se manifestam antes, durante e depois da ovulação. Portanto, apesar de que existem muitos hormônios que influenciam nas chances de gravidez, alguns são mais importantes que outros.

Hormônios gonadotrofinas LH e FSH, os responsáveis de preparar os óvulos

Estes hormônios são encarregados pelo amadurecimento e liberação do óvulo. O hormônio luteinizante (LH) e o hormônio folículo estimulante (FSH) têm como função principal estimular o crescimento da pequena cápsula onde o óvulo permanece antes da ovulação (folículo).

Eles regulam o desenvolvimento e função hormonal dos ovários e, no caso dos homens, dos testículos. Em resumo, ajudam na produção dos espermatozoides e no desenvolvimento e amadurecimento dos óvulos.

Estes hormônios da gravidez não devem ser confundidos com a Gonadotrofina Coriônica Humana (HCG), que é do mesmo grupo. O HCG é o que literalmente é considerado “hormônio da gravidez”, por circular no sangue materno somente quando a mulher está gravida e por isso, é o hormônio que detectam os testes de gravidez tanto de farmácia, quanto o Beta hCG. Este hormônio está relacionado com o LH e FSH e suas funções são:

  • Manter a função lútea
  • Suprimir a menstruação
  • Estimular a produção de progesterona e estrógenos durante a gravidez.

Progesterona, fundamental para a fertilidade e amamentação

A progesterona é o hormônio encarregado de manter o óvulo e prepará-lo para receber o espermatozoide, é um dos hormônios mais importantes para engravidar.

Produzido pelos ovários durante o ciclo menstrual, entre as funções da progesterona está a de preparar o endométrio, que é o tecido que reveste o útero por dentro para facilitar a nidação, ou seja, o momento em que o embrião estabelece sua ligação com o útero para desenvolver-se ao longo da gravidez.

Se o espermatozoide fecunda o óvulo, a quantidade de progesterona liberada pelo corpo da mulher dispara para garantir que a gravidez se desenvolva com segurança. Durante o período de amamentação a progesterona tem um papel importante porque prepara as glândulas mamarias para a produção do leite para o aleitamento.

Testosterona, o hormônio que regula o desejo sexual

A testosterona é o hormônio responsável de manter a libido e controlar o desejo sexual, os níveis de testosterona sobem nos dias prévios à ovulação favorecendo as chances de gravidez. Apesar de geralmente relacionado com os homens, que possuem um nível mais elevado de testosterona no corpo, as mulheres produzem testosterona através dos ovários.

No entanto, níveis elevados de testosterona na mulher podem ser um obstáculo para a gravidez, por isso é importante manter a testosterona em equilíbrio.

Estrogênio, o principal hormônio sexual feminino

O estrogênio é o principal hormônio sexual feminino. É responsável pelo amadurecimento físico e sexual das mulheres. Além disso, faz parte do processo de gestação, parto e amamentação. Estas são algumas das características do estrogênio:

  • Favorecem o crescimento folicular e o amadurecimento dos óvulos
  • Propicia a circulação nas membranas uterinas
  • São encarregados de ativar as mudanças na cérvix e nos fluidos emitidos ao longo do caminho que irão percorrer os espermatozoides para facilitar seu encontro com o óvulo.

Uma das funções mais importantes é a sua contribuição para o desenvolvimento celular nos órgãos do aparelho reprodutor, principalmente nos seios, o endométrio e o sistema ovariano.

Dentro do grupo de hormônios naturais se destaca o estradiol, produzido pelos ovários da mulher durante a primeira fase do ciclo menstrual e pelo corpo lúteo durante a segunda fase do ciclo. Antes da ovulação, o estradiol estimula a secreção de mucosas cervicais férteis e, depois da ovulação, o crescimento do endométrio para a correta implantação dos embriões (nidação). Portanto, é um dos hormônios mais importantes para a fertilidade.

Hormônio estimulante da tireoide (TSH), responsável de que tudo funcione bem

Os hormônios da tireoide interagem com os hormônios reprodutivos, o estrogênio e a progesterona para preservar o funcionamento normal dos ovários e o amadurecimento dos óvulos.

O equilíbrio da tireoide é algo importante para prevenir problemas de fertilidade, por exemplo, se a glândula da tireoide libera uma quantidade excessiva (hipertireoidismo) ou insuficiente (hipotireoidismo) isso pode afetar as chances de gravidez.

Prolactina, fundamental durante a amamentação

Este hormônio estimula a produção do leite materno através de uma ação sobre a glândula mamária. Além disso, a prolactina desempenha um papel de destaque no ciclo menstrual já que interfere a segregação do hormônio liberador de gonadotrofina (GnRH), que por sua vez controla e regula a liberação dos hormônios FSH e LH, responsáveis pela ovulação.

A concentração da prolactina no sangue aumenta justo antes da menstruação e depois da mesma reduz significativamente. Uma concentração elevada da prolactina pode ser prejudicial para a fertilidade, pois pode provocar:

  • Irregularidades no ciclo
  • Falta de ovulação
  • Androgenização feminina

Por esta razão, a prolactina deve estar controlada para a mulher conseguir engravidar.

Tratamentos e administração de hormônios nos tratamentos de fertilidade

Os hormônios que entram em jogo para o sucesso da gravidez são muitos e qualquer desequilíbrio pode dificultar a concepção. Inclusive entre 30% e 40% das dificuldades de engravidar estão ligadas a algum desequilíbrio hormonal. Em alguns casos os medicamentos ou injeções hormonais podem ajudar a recuperar o equilíbrio da seguinte forma:

  • Estabilização do ciclo menstrual
  • Ativar a ovulação são utilizados hormônios para induzir à ovulação (estimulação ovariana)
  • Amadurecimento do óvulo, comum nos tratamentos de reprodução humana após a estimulação da produção e desenvolvimento dos óvulos.

Os tratamentos hormonais para engravidar devem ser acompanhados por um médico para evitar efeitos secundários, como por exemplo a hiperestimulação ovariana e a gravidez múltipla.

Equilíbrio hormonal durante a gravidez

Um dos fatores que pode afetar o equilíbrio hormonal durante a gravidez é o estresse. Durante a gravidez é importante que a gestante fique tranquila e para isto é preciso um pré-natal completo capaz de confirmar a saúde do bebê de forma completa e de preferência o mais cedo possível.

NACE, o teste pré-natal não invasivo (NIPT) da Igenomix permite descartar sem riscos para mãe e bebê as alterações genéticas que poderiam provocar a Síndrome de Down, Síndrome de Patau e Síndrome Edwards.

Contato