fbpx

Papanicolau na gravidez

30 September, 2019 ,
papanicolau na gravidez

O Papanicolau é um dos exames mais realizados para manter um bom controle ginecológico da mulher. Este exame, também conhecido como citologia cervicovaginal, é realizado durante a gravidez para identificar alterações no colo do útero.

Para realizar um Papanicolau na gravidez, são coletadas células do colo uterino para análise em microscópio de sua aparência, como se formam e o seu funcionamento. O objetivo do exame é detectar eventuais infecções virais nas células e alterações pré-cancerosas no colo do útero.

A citologia não deve ser confundida com a biópsia, já que esta última se examina um pedaço de tecido, enquanto na citologia unicamente são estudadas células.

Por que o Papanicolau é importante?

Esta citologia é importante durante a gravidez por 2 motivos:

  • Prevenir infecções que podem afetar o futuro bebê.
  • Detectar alterações nas células.

Além das revisões ginecológicas programadas durante a gravidez, existem casos concretos nos quais é recomendável realizar este teste com maior frequência para manter um controle preventivo quando há verrugas genitais em função do HPV (Papiloma Vírus Humano), em casos de antecedentes de alguma DST (doença sexualmente transmissível) ou se as citologias anteriores apresentarem alguma anomalia.

Preparação e realização do teste

citologia é um teste de caráter rotineiro e muito simples, rápido (requer uns poucos minutos) e não é doloroso.

Basicamente, consiste na retirada de uma amostra das células da vagina e do colo uterino.

Além de diagnosticar infecções que poderiam afetar o feto e detectar lesões precursoras do câncer de colo do útero ou do próprio câncer, também pode ser utilizado para realizar um diagnóstico hormonal.

A técnica de realização do Papanicolau consta dos seguintes passos:

  • Em primeiro lugar, é introduzido um espéculo na vagina para poder separar as paredes vaginais e visualizar o colo uterino. Desta forma, realiza-se a coleta de células das paredes vaginais ou do exsudado vaginal no fundo do saco posterior da vagina.
  • Em seguida, realiza-se uma segunda retirada do que se denomina exocérvix, que é a parte externa do colo uterino.
  • Logo colhe-se outra amostra do endocérvix, que é a parte correspondente ao canal do colo uterino e é a que comunica o interior da cavidade uterina com a vagina.
  • Finalmente, observam-se todas as amostras realizadas no microscópio com a finalidade de poder analisar as células e realizar um melhor diagnóstico, identificando a presença ou não de uma infecção e o patógeno que a causa, para um adequado tratamento.

Referente à preparação, não é necessária nenhuma ação prévia especial e realiza-se como um exame a mais durante uma revisão ginecológica. No entanto, é recomendável que quando você fizer o teste tenha finalizado a menstruação 3 ou 4 dias antes e abster-se de manter relações sexuais com penetração nas 48 horas prévias à retirada. Tampouco, deve se usar tratamentos tópicos nos 5-7 dias antes da prova.

Também, você deve levar em conta as seguintes medidas higiênicas antes da realização do teste, como por exemplo, não fazer lavagens internos nem tampouco usar desodorantes vaginais.

Dra Cristina CarvalhoDra Cristina Carvalho é biomédica e geneticista


Quem leu este post também se interessou por:

 

subir

Pin It on Pinterest