fbpx

Por que você precisa saber sobre congelamento de óvulos?

Hoje eu vou falar de um assunto que não é puramente feminino, mesmo que seja congelamento de óvulos, pois se você já tem um parceiro, o assunto vai interessar o casal. Eu quero falar com você sobre planejamento familiar e para isso eu trouxe novamente ao meu programa a Dra. Marcia Riboldi, geneticista e diretora da Igenomix.

Se eu tenho 30 anos e sou saudável, por que eu preciso saber sobre o congelamento de óvulos?

A gente vê que a sociedade está mudando. Nós mulheres temos mil coisas que queremos fazer antes de chegar o momento de ser mãe. Trabalhar, estudar, viajar, são muitas coisas antes de ter um relacionamento sério e pensar em formar uma família. O problema é que precisamos pensar nesse assunto antes, porque muitas vezes quando chega o momento pode ser tarde.

Mesmo que agora eu não pense ou não queira ser mãe, é importante pensar nesse assunto agora para não se arrepender depois.

Mesmo quem se cuida muito tem um envelhecimento dos óvulos igual?

Mesmo que a saúde esteja perfeita o envelhecimento dos óvulos acontece, pois este é o processo natural deles. Até os 37 anos, cada ano nosso poderia ser considerado um ano deles, porém a partir dessa idade o envelhecimento dos óvulos é acelerado, como se a cada ano nosso fossem vários anos deles. É possível ter uma saúde perfeita e uma reserva ovariana baixa.

O que temos que pensar é: se queremos engravidar aos 35 – 36 anos, tudo bem, podemos esperar sem congelar, mas claro, não significa que outros fatores da saúde da mulher podem ser esquecidos até lá, pois existem vários aspectos que também pesam na fertilidade da mulher.

Sempre temos que conversar com nosso ginecologista para saber se não há nenhum aspecto da nossa saúde que pode antecipar esta perda natural da fertilidade, mas pensando que não existe nenhuma condição a mais, se eu quero ser mãe um dia, eu preciso me programar antes. Quanto antes, você me pergunta? Quanto antes melhor! O mundo ideal seria pensar entre 25 – 30 anos que é quando estamos na flor da nossa fertilidade.

Nos casos de mulheres que tiverem filhos na casa dos 25 – 30 anos e agora com 40 querem ter outro filho. Você tem algum conselho?

Este é o ponto, a fertilidade não é a mesma, apesar de que quem ainda não entrou na menopausa pode chegar a conseguir engravidar naturalmente, o grande ponto aqui, para quem tem mais de 38 anos é que conforme a idade vai aumentando, o risco de aborto também aumenta e junto com o aborto também aumenta o risco de síndromes genéticas.

Tudo isso porque a nossa reserva ovariana não é a mesma que tínhamos aos 30 anos.  Portanto, quem tem 40 anos não terá as mesmas chances de gravidez que teve na gravidez anterior por 2 razões:

  1. Agora ela tem muito menos óvulos
  2. Os riscos de aborto e alterações cromossômicas são maiores

As alterações cromossômicas são compatíveis com a vida?

A maioria das alterações cromossômicas vai terminar em um aborto de primeiro trimestre, a minoria como a síndrome de down, é compatível com a vida.

Congelar óvulos ou vitrificar óvulos, que é o termo correto, é como ter um seguro de vida, que você pode usar ou não usar, mas proporciona uma tranquilidade e um caminho em um caso de necessidade.

Por outro lado, é importante lembrar que na saúde nada é garantido, não é porque você congelou óvulos que com certeza irá evitar qualquer problema de infertilidade, apenas evita os relacionados com a saúde dos óvulos.

Que exame analisa a reserva ovariana?

Um dos exames fácil e muito confiável e o Anti-mülleriano, que alguns planos de saúde cobrem e outros não cobrem. Este exame é feito a partir de um exame de sangue. A avaliação da reserva ovariana também pode ser realizada através da contagem de folículos por ultrassonografia e com o exame FSH.

Como é o processo para congelar óvulos? É como uma cirurgia?

Não é como uma cirurgia, mas é um procedimento invasivo. Antes de explicar é importante saber uma coisa:

Todo mês em geral a gente ovula um único óvulo, ou engravidamos ou menstruamos. Para o congelamento vamos tomar hormônios para que a gente tenha vários óvulos em um único ciclo. Quem vai definir a quantidade de hormônios será o médico com base nos exames que ele pediu.

O processo de congelamento de óvulos inicia com este período chamado de estímulo ovariano, onde tomamos uma medicação para amadurecer os óvulos que naturalmente se perderiam no ciclo, que serão coletados por um médico especialista em reprodução assistida.

Esta coleta, também chamada aspiração de óvulos, é realizada antes que o óvulo está totalmente maduro. Este procedimento é realizado com sedação na própria clínica ou em um hospital. O médico vai acessar o ovário através pelo canal vaginal, sem cortes, e aspira os folículos, que em teoria contêm óvulos.

Quantos óvulos preciso congelar para ter mais chances de sucesso se precisar deles?

É importante congelar ao menos 15 óvulos para ter boas chances, além disso, vale lembrar que para utilizar estes óvulos é preciso realizar um tratamento de Fertilização in Vitro.

É verdade que bebês de óvulos congelados têm mais risco de doenças como o autismo?

Não, todos os estudos realizados não apontam nenhum risco superior de doenças.

Quanto tempo posso manter o óvulo congelado?

Não tem um tempo limite, até agora temos bons resultados com gravidez de óvulos congelados há 10, 15, 20 anos. O limite que temos que ter em mente é o nosso limite de receber estes óvulos, porque uma gestação não é igual, com 30, 40 ou 50 anos.

Mesmo com os óvulos jovens, em uma idade avançada podem existir outros riscos para a gravidez como por exemplo, pressão alta, pré-eclâmpsia, diabete gestacional, que se elevam após os 40.

Ou seja, uma mulher na menopausa pode engravidar com um tratamento de Fertilização in Vitro com os óvulos congelados, mas se a idade dela for muito avançada, esta gestação será de alto risco.

Eu quis falar com você sobre este assunto porque é muito importante saber que congelar óvulos pode ser importante para uma segunda gravidez depois dos 40, para ter uma prevenção e quero que você ajude na conscientização sobre este assunto ainda cheio de mitos, você pode ajudar uma amiga com estas informações.

Quer que eu te conte?

 

Monica RomeiroSou Monica Romeiro, mãe do Lucas e da Larissa. Amo compartilhar minhas experiências e passar informações corretas e seguras para as mulheres que sonham em engravidar, para gestantes e para mamães. Convido você a conhecer meu blog e canal no YouTube.


Quem leu este artigo também se interessou por:

 

subir

Pin It on Pinterest