fbpx

Infecções por vírus durante a gravidez

22 July, 2020
vírus na gravidez

As infecções virais na gravidez são as principais causas de mortalidade materna e fetal. Alguns patógenos podem infectar diretamente o feto em momentos específicos durante a gestação, enquanto outros só infectam a placenta. Ambos os cenários podem resultar em complicações graves.

Por esta razão, estar em dia com o calendário de vacinas e fazer um check up ao planejar uma gravidez é de extrema importância, pois o médico fará uma avaliação de tudo que pode afetar o sucesso da gestação, recomendar uma série de cuidados e também suplementações vitamínicas (como ácido fólico) para aumentar as chances de nascimento de bebê saudável.

Neste post reunimos os principais vírus que podem ser um risco durante a gravidez.

Varicela (Catapora)

Ela é causada pelo vírus varicela zóster, que é um tipo de herpesvírus (herpesvírus tipo 3). Se trata de uma infecção que afeta principalmente crianças e estima-se que, cerca de 95% das mulheres são imunes.

Mas, quem nunca teve catapora precisa conversar com seu médico obstetra imediatamente pois caso exposta ao vírus, a paciente pode ter pneumonia e/ou pode acometer o feto, levando a defeitos congênitos. Um exame de sangue pode comprovar se você é imune.

Citomegalovírus

CMV (citomegalovírus) é um vírus comum que faz parte do grupo herpes. Infecções por CMV são comuns em crianças pequenas.

As mulheres grávidas devem tentar limitar sua exposição ao patógeno e redobrar os cuidados de higiene quando tiverem contato com crianças. O bebê pode ser acometido se o vírus atravessar a placenta ou leite materno contaminado.

Hepatites B e C

As hepatites B e C  afetam o fígado.  Muitas pessoas com hepatite não mostrarão sinais de doença, mas podem ser portadoras assintomáticas e infectar outras pessoas. O vírus é transmitido por relações sexuais e pelo contato direto com o sangue infectado.

Herpes simples

A infecção causada pelo vírus do herpes simples provoca o aparecimento recorrente de bolhas pequenas, dolorosas e cheias de líquido na pele, boca, lábios (herpes labial), olhos ou órgãos genitais. A herpes genital pode ser perigosa para um bebê recém-nascido.

Se a primeira infecção ocorrer perto do fim da gravidez  ou  durante o trabalho de parto, pode ser recomendada uma cesariana para reduzir o risco de transmitir a herpes para o bebê. Em recém-nascidos, a infecção pelo HSV pode levar à morte ou problemas crônicos.

AIDS

Causador da AIDS, o HIV (vírus da imunodeficiência humana) ataca o sistema imunológico, responsável por defender o organismo de doenças.

Amplamente conhecido, o HIV é transmitido sexualmente e hoje em dia é possível prevenir a transmissão durante a gravidez seguindo um protocolo de profilaxia específico, pois a vacina ainda não está disponível.

Parvovirose

A infecção por parvovírus B19 é comum em crianças. Causa uma erupção cutânea vermelha característica no rosto.

Na gravidez, a infecção pelo Parvovírus pode ser grave devido à chance de transmissão vertical, ou seja, da mãe para o feto, o que pode resultar em alterações no desenvolvimento do feto, anemia intrauterina, insuficiência cardíaca fetal e até mesmo aborto.

Como ainda não existe vacina disponível também, a recomendação é evitar contato com pessoas doentes, lavar bem as mãos e seguir o acompanhamento pré-natal.

Rubéola

Se trata de uma doença altamente contagiosa que causa sintomas como dor nas articulações e uma erupção cutânea.

Graças à vacinação, a rubéola é bastante rara, mas se você for infectada  nos primeiros 4 meses de gravidez, as consequências podem ser graves, incluindo defeitos congênitos (surdez, malformações cardíacas, lesões oculares e outras)  e aborto.

Se você não foi vacinada ou não possui registro, não é possível imunizar-se durante a gestação. Você deverá pedir a vacina no exame pós-natal de 6 semanas após o nascimento. Isso irá protegê-la em qualquer gravidez futura.

Zika vírus

O Zika vírus, transmitido por picadas de mosquito Aedes aegypti, há poucos anos causou uma grande preocupação e muitos casos no Brasil por estar relacionado com a microcefalia. O risco de infecção por Zika vírus ainda existe no país, por isso é importante que a gestante se proteja durante a gestação.

A vacina ainda não está disponível, por isso, é importante que as futuras mamães reforcem as medidas de prevenção ao Aedes aegypti, com o uso de repelentes indicados para o período de gestação, uso de roupas de manga comprida e todas as outras medidas para evitar o contato com mosquitos, além de evitar o acúmulo de água parada em casa ou no trabalho e continuem com o acompanhamento pré-natal.

E a COVID-19?

A COVID-19 é causada pelo SARS-CoV-2 e causa sintomas variáveis nas pessoas. Mas, se você está se perguntando por que o novo coronavírus não faz parte da lista de patógenos que afetam a gestante, a razão é que até o momento de publicação desse post não há evidências conclusivas dos eventuais efeitos da infecção por SARS-CoV-2 durante a gravidez.

Os cuidados de prevenção contra uma infecção pelo novo vírus que provocou a pandemia onde ainda nos encontramos são importantes, já que toda complicação na saúde da paciente pode ser potencialmente perigosa para a gestação e para o bebê. É importante que a futura mamãe redobre os cuidados de higiene como lavar bem as mãos com sabão ao tocar superfícies, evitar aglomerações e proteger-se com máscara para evitar a infecção.

A Igenomix está realizando testes para a detecção da COVID-19. A coleta pode ser realizada em sua residência, informe-se conosco.

Oferecemos também assessoramento científico para esclarecimento de dúvidas em relação aos testes oferecidos e lembre-se que, em caso de dúvidas sobre as vacinas e exames realizados no pré-natal, você deve consultar o médico da sua confiança.

 

Dra Cristina CarvalhoDra Cristina Carvalho é geneticista


Quem leu este post também se interessou por:

subir

Pin It on Pinterest